UK law is changing. We would like to place cookies on your computer to help us make this website better. We've always done this (it's how websites work!), but the law now says I must ask your permission first. To find out more about the cookies, see the privacy notice.

I accept cookies from this site

UK Registered Charity 1117093
Company Number 5947088

"Serious sport has nothing to do with fair play…it is war minus the shooting."

George Orwell

Identidade

Objetivo: Levar os atletas a perceberem que cada um tem um valor para o grupo, e um valor intrínsico para Deus, não importa o seu empenho esportivo.

Inicie com esta reflexão:
Mas vocês são uma raça escolhida, os sacerdotes do Rei, a nação completamente dedicada a Deus, o povo que pertence a ele. Vocês foram escolhidos para anunciar os atos poderosos de Deus, que os chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz. 1 Pedro 2.9

Cada pessoa precisa saber que é amada por aquilo que é, e não apenas por aquilo que faz. Atletas precisam saber que são importantes aos outros, independentemente do seu desempenho esportivo, bom ou ruim. A fé cristã ajuda-nos a experimentar uma realização pessoal assim, pois nos ensina que Deus e outros crentes nos amam do jeito que somos.

Muitos competidores enganam-se pensando que ao tornarem-se campões eles vão satisfazer o desejo de ser aprovado pelos outros. Nunca conseguem, e daí após a vitória vem o sentimento de insatisfação. Atletas que têm a consciência de ser amados não importa o resultado, conseguem curtir melhor as vitórias que vêm. Isso é por que eles não esperam que a vitória ofereça algo que não pode oferecer: realização pessoal plena.

Quando percebermos o quanto que somos especiais para Deus - uma raça escolhida, os sacerdotes do Rei, a nação completamente dedicada a Deus – e que a gente pertence a Deus, temos consciência do nosso verdadeiro e alto valor.

Sabemos que o nosso valor para Deus não modifica porque vamos jogar na séria A, ou por sermos tesoureiro do time de bairro. Isso nos liberta para serví-lo não importa onde ele nos tem colocado.

[“Identity” por Stuart Weir, http://www.veritesport.org/ . Traduzido e adaptado com permissão por Mark Greenwood.]

Dinâmica: • Para iniciar a atividade, convide os participantes para, de pé, se disporem em um círculo e distribua um balão para cada um;
• Comente sobre a importância de cada um e da integração entre as pessoas de uma mesma equipe e como isso influencia na auto-estima individual. Fale sobre como determinados comportamentos podem contribuir, positivamente, com a auto-estima de um atleta.
• Na seqüência, peça para todos encherem seus balões, "descarregando" dentro deles, todos os sentimentos negativos que impedem um bom relacionamento: impaciência, rudez, frieza, etc… e que, após cheios e fechados, todos os balões devem ser colocados no chão.
• Convide um dos atletas para se colocar no centro da sala.
• Para os demais, peça que se unam firmemente, de braços e mãos dadas, formando uma "corrente" firme, envolvendo o atleta que está ao centro, e que não possa ser "rompida".
• Agora, peça para o atleta que está ao centro desse círculo para forçar esta "corrente", tentando "rompê-la" e, dessa forma, tentando sair de dentro do círculo. Preste atenção ao tipo do esforço e, se necessário, modere o exercício para que nenhum integrante da dinâmica se machuque. Certamente o ambiente será de muita energia física e risos. Incentive o grupo que falem entre si, dando instruções para que todos resistam às tentativas de "saída" do colaborador que está ao centro do círculo.
• Quando a "energia" do grupo "diminuir", encerre a atividade e peça a todos que se posicionem novamente em círculo aberto, sem estarem unidos. Conceda alguns instantes para que todos recuperem o fôlego.
• Faça perguntas ao atleta que estava no centro: como ele avalia o seu grau de esforço? Qual a sua sensação ao tentar sair do grupo? e O que pensou quando definitivamente desistiu de tentar? Se ele sentiu-se importante ao tentar sair do grupo e os colegas não deixarem...
• Comente que é exatamente assim que o grupo todo deve comportar-se: por mais que um tente "sair", sejam por atitudes conscientes ou não, o grupo não deve permitir, pois todos são importantes, e este é o espírito que deve reinar no grupo - sempre disposto a envolver e proteger, com muita energia de todos os participantes, e que o lugar de cada um é com sua equipe, não fora dela.
• Para encerrar, peça que todos dêem, ao mesmo tempo, um abraço coletivo, estourando os balões com os pés.

Weekly sports email

Leave your email address if you wish to receive Stuart's weekly sports email: